quarta-feira, 16 de abril de 2014

Filme “Titanic – somente Deus por testemunha” e doutrina de Epicuro


Filme “Titanic – somente Deus por testemunha” e doutrina de Epicuro





 




Vi o filme antigo do Titanic e fiquei impressionado com a qualidade e o foco histórico da obra, que diferente do de Cameron, não se focava em história de amor ou em temas diversos do personagem principal: o navio. O filme tem ritmo de quase documentário e mostra bem fatos relatados por sobreviventes, que apesar do dinheiro, tiveram a lição da catástrofe para repensar seu entendimento existencial. Vê-se em umas pessoas, a proximidade do naufrágio e sua imperturbabilidade (ataraxia), o que nos lembra a doutrina de Epicuro, filósofo da ilha de Samos. Essa ausência de dor nos leva a pensar de como algumas pessoas conseguem suportar certos acidentes, ou situações extremas. Também nos mostra que a riqueza não parece o maior prazer, e que esse prazer tem de ser moderado.

O navio Titanic carrega em sua história uma complexidade desconfortante. Primeiro que uma pessoa disse que nem Deus afundaria o navio, em uma opinião mais que controvertida. Depois o nome Titanic soma 13, número de azar e que já esteve ligado a diversas catástrofes e pessoas, um deles Napoleão. Mas voltando ao filme, esse explora temas que foram repetidos no filme atual, e que naquele tempo desse, década de 50, era mais feito com talento e maquetes. O navio afunda por inteiro, mas é desafiante a cena final, mesmo aquele momento posterior ao naufrágio. Vemos também que por telégrafo já estava avisado sobre o gelo, e que aquela rota era mais que perigosa no momento. Também percebemos que a preguiça humana de um capitão de navio que estava próximo fez com que a tragédia fosse inevitável, haja vista dormir e não dar bola a fogos sinalizadores do navio inglês.




Mostra assim o filme a efemeridade da condição humana, e os prazeres vãos em prol da desgraça alheia. Assim a divisão de classe não tornou o navio um “castigo” contra ricos somente, mas uma lição de sobrevivência, uma vez que dos 1500 passageiros, 700 sobreviveram, e que levaram consigo essa suma experiência de vida. Disso observamos essa obra de arte de 1958 ficou assim gravada, lembrando o desespero de uns, e a imperturbabilidade de outros. Isso que impressiona. Como uma banda continua tocando enquanto um navio afunda? E até onde a honra de um capitão vai a fim de que esse afunde junto a seu navio, lutando até ao fim em manter-se de pé? Recentemente notamos o padrão ético de nosso tempo, quando um capitão fugiu do Costa Concórdia, sem nenhuma espécie de arrependimento ou maior dúvida. Mas a imperturbabilidade nesse filme foi mostrada nas pessoas que estavam nos botes, bem como em casais e famílias que se mantiveram hora na proa, hora na polpa do navio, procurando refúgio naquele carma coletivo que traçava o seu destino.



A doutrina de Epicuro ensina a sabedoria. Não que negue os prazeres da vida, mas que os tenha com moderação. E valoriza mais uma amizade e o autoconhecimento, do que superficiais riquezas e famas. Em nosso tempo já vemos pelo contrário, além de certo luxo, presenciamos um total vazio das pessoas. Fosse hoje, ficariam apáticas e se matariam pelos botes, sem qualquer seleção de proteger as crianças ou pessoas mais velhas. Vemos que o navio social afunda, e que cada vez mais ficamos imperturbáveis com a violência, aceitando a cada dia mais a desgraça alheia, numa desumanidade construída pelos meios de comunicação de massa. Semelhante a Hindemburg, o famoso Zepelin que despencou do céu, o Titanic nos deu a lição histórica de que não se desafia a natureza ou Deus, e que o respeito para com todos é essencial a manutenção de alguma estabilidade material ou do espírito. Vemos em Epicuro a amizade muito valorizada também, essa tão lembrada na obra de Alain de Botton. Fato é que o filme mostra as coisas de um modo diferente, e que nos leva a uma obra menos sensacionalista do fato, mais realista e crível, apesar de que o navio não se parte no final, fato que foi descoberto depois a ocorrência. Mas o detalhe da chaminé quebrando, foi de arrepiar. Mesmo assim um grande filme e que deve ser visto por todo cinéfilo ou admirador da história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário